sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Vigiando e Orando no Fundo do Mar

Vigiai e orai! (Mt 26:41)
Á medida que amadurecemos em nosso relacionamento com Deus, alguns textos bíblicos parecem fazer mais sentido. Sempre tive dificuldade com o texto de (Mt 26:41). Na verdade as pessoas usam esse texto fora de contexto. Jesus estava admoestando os discípulos a permanecerem com ele em seus momentos finais. Mas esse texto na maioria das vezes é lido como um teor de ameaça. A idéia que sempre me apresentaram foi de uma constante postura de alerta, como se estivéssemos na beira de um precipício na ponta dos pés, torcendo para que Satanás não nos surpreendesse com um sopro. A dificuldade que tenho, é porque sempre pensei no cristianismo como algo prazeroso e não tenso. Embora consciente da luta contra os principados e potestades nesse mundo tenebroso, sempre me ancorei no porto seguro da soberania divina.
Dessa forma, minha compreensão da vida cristã tem sido guiada por essa lógica. Não creio que Deus me salvou do pecado para que eu passasse minha vida toda em uma luta frenética para não pecar. Tenho que manter o pé no pescoço do velho homem, com certeza, mas de forma alguma minha espiritualidade pode ser guiada pelo medo de cair. Se assim fosse, passaria todo o tempo em oração para não pecar, ao invés de desfrutar da intimidade do Pai. Passaria a vida lutando por manter uma conduta moral impecável, deixando de me preocupar em contribuir com o Reino. Decidi que o sinal de maturidade em minha vida seria passar menos tempo tentando não pecar e mais tempo tentando ser como Cristo.
Nesse prisma, “Vigiai e orai”, sempre foi um texto um pouco controverso. Até que visitei outro mundo. O leitor que está com medo de começar a entrar em águas perigosas, relaxe. Não fui abduzido por extra terrestres, nem fui arrebatado para outra dimensão. Eu simplesmente dei um mergulho.
Isso mesmo. Tive a oportunidade de nadar em uma piscina natural em alto mar nas belas águas de Maceió – AL. Não contente com a superfície e inspirado por um espírito aventureiro, quis fazer um curso rápido de mergulho para descobrir um pouco mais do fundo do mar. É bem verdade que o mais fundo que minha perícia de mergulhador me permitiu foi cinco metros de profundidade, mas foi mais do que suficiente. Não existe outra forma de expressar – é outro mundo. Um universo de cores, formas, beleza e vida que silenciosamente se escondia do resto do mundo acima da superfície. Nos poucos momentos que estive ali, me pareceu estar em outra realidade, onde nada do meu mundo fazia sentido. Antes que alguém fique impaciente voltemos ao assunto principal.
Enquanto estava no fundo do mar (por favor, deixe-me pensar que era o fundo!) o silêncio era absoluto. Um ambiente de uma calmaria inigualável. Lá não havia estresse nem alarmes. Não consegui enxergar condomínios fechados de peixes nem corais com cerca elétrica. Não havia medo, somente paz. No entanto, como todo mergulhador de primeira viagem, meu primeiro impulso ao ver um peixe passando em frente ao meu nariz, foi estender a mão para tocá-lo. De maneira impressionante, o peixe que inspirava calmaria, reagiu de forma brusca fazendo um movimento ligeiro escapando por entre meus dedos e rapidamente se distanciando de mim. Fiz a experiência várias vezes, e mesmo em cardumes com muitos peixes não consegui sequer tocar em um deles. Quando voltei ao hotel, o texto de Mt 26:41 me veio a mente.
A analogia é a seguinte. Nenhum daqueles peixes estava em constante estado de alerta, o que desfrutavam ali era simplesmente paz. Entretanto conheciam tão bem a realidade do mar, que a mera presença de algo diferente provocava neles a reação da fuga. O perigo é na verdade o distúrbio da paz. E quanto mais em paz alguém está, mais alerta do perigo ele fica.
Bem, é por isso que os verbos estão sabiamente dispostos na Escritura sagrada: vigiai e orai. Vigiar sem orar, vira paranóia. O que nos possibilita vigiar, é o ato de orar. Quando oramos, estamos em paz. Em contato com um universo além de nossa compreensão, transcendendo a realidade do estressante mundo em que vivemos para entrarmos no pacífico mundo seguro pela soberania de Deus. A oração é refúgio. É encontro com a paz. E quando oramos sem cessar (I Tess 5:17), vivemos em paz e qualquer distúrbio da paz gera em nós a reação necessária. Vigiar e orar são dois lados de uma mesma moeda. E qualquer movimento duvidoso do pecado que tão tenazmente nos assedia, nos fará novamente correr para o refúgio do Pai, isso é, se estivermos conectados a ele o suficiente.
Prefiro assim. Continuo atento, para não cair em tentação. No entanto, muito mais do que um cuidado moralista, cultivo minha relação com o Pai, nadando em suas águas tranqüilas, para que ao menor sinal do perigo, eu saiba exatamente que o distúrbio não faz parte da minha vida.
Certos estavam os peixes...

3 comentários:

Luana disse...

Olá Pr. Mateus
Sou nova convertida, participo da Igreja do Nazareno de Americana e existe muitas coisas que não conheço ou não entendo, particularmente gosto de suas pregaçãos e seus textos.
Pela fato de não conhecer muito, este assunto não era tão claro para mim e eu não aceitava pensar nesse "tom de ameaça" como você mesmo escreveu e sim uma paz gostosa da presença de Deus, que ao perceber algo nos dara a sabedoria e armas para agirmos.
Gostei bastante de teu texto é maravilhoso como algumas de nossas dúvidas são esclarecidas quando menos esperamos e de maneira nós mesmos não entendemos.. são dádivas de Deus.
Deus o abençõe muito!

Rosana Garcia disse...

Pr. Mateus quando leio seus textos descanso em paz sabia ? Pois muita coisa em que acredito e penso são imediatamente explicadas com palavras muito sábias.
Graça e Paz ..
Fico esperando ansiosa por um novo post.

Marina disse...

blog.
Deus tem lhe dado inpirações tremendas! Louvado!!!
Obrigada por compartilhar tantas msgs de profundidade tocante. Tantos precisam ler o que tenho lido aqui!
Persevere nessa caminhada constante, tenho certeza que os seus visitantes, sauem daqui alimentados pela doce e eterna Palavra do Altíssimo!
Agradeço ao Pai das Luzes pela sua vida em jesus Cristo!
Sempre avante Atalaia do Reino!
Bençãos sem medida sobre a sua vida e o seu lar!
Paz de Cristo
Marina

 

.