terça-feira, 14 de agosto de 2007

Paz? Que paz?

Incrível como nossa tendência é associar as dificuldades que temos na vida, com um desalinhamento com os propósitos de Deus. Somos treinados a avaliar se estamos ou não obtendo a aprovação de Deus em determinado assunto a partir do sucesso de nossos empreendimentos. “A paz de Deus é a prova dos nove”, dizem por aí. E dizem com base bíblica. Afinal Paulo em Colossenses, nos diz que a paz de Deus deve ser o árbitro,ou juiz em nosso coração. Mas pelo contexto parece bastante óbvio que ele está falando da busca pela paz nos relacionamentos pessoais e não de uma sensação mística de que está tudo bem. No entanto, dizem os pragmáticos de plantão: “Se sentir paz, é de Deus, se não sentir, não é”.
Mas que paz é essa? O que dizer do nosso enganoso coração que normalmente encontra paz quando consegue o que quer e se inquieta revoltosamente quando é levado por caminhos de renúncia. Quanta paz sentiu Jesus ao ser chicoteado pelos romanos ou ao carregar a cruz em direção ao Calvário? Quanta paz sentiu Paulo ao ser expulso de cidade em cidade, apedrejado por uma multidão furiosa que o jogava de tribunal em tribunal injustamente, ou em navios que naufragavam, ou sendo picado por víboras venenosas? Não creio que esses cenários favoreciam a sensação de paz. É bem verdade que misteriosamente a paz de Deus, que excede todo entendimento, nos encontra nesses momentos de forma surpreendente e inexplicável, mas não sem antes sermos levados a emoções extremas de tensão e às vezes angústia. Paz mesmo, só depois da tempestade, o problema é que no meio da tempestade é surgem nossas dúvidas. Somos treinados a evitar o sofrimento e a avaliá-lo como um desarranjo na ordem divina. Alguns vão ao extremo de dizer que doença é sintoma de pecado, dificuldade financeira, é problema de quem não é dizimista, e todo e qualquer tipo de sofrimento é uma prova inquestionável que estamos na contramão da vontade de Deus. Explicamos tudo com a precisão de um diagnóstico clínico, afinal a lógica é clara. Se Deus é soberano e estamos agindo de acordo com sua vontade, então não deve haver impedimento algum. Se existe impedimentos evidentes, é hora de reavaliar se estamos mesmo fazendo o que Deus nos mandou fazer.
Graças a Deus que não é bem assim. Basta uma boa olhada para os heróis da fé para percebermos que nenhum deles foi isento de crises e tempestades que às vezes tão intensas, os fizeram duvidar de seu chamado. Graças a Deus, pelo Moisés inseguro, pelo Davi adúltero, pelo Elias medroso, pelo Paulo perseguido e pelo Jesus da Cruz. Graças a Deus pelos homens que provaram que ser mais que vencedor é lutar mais do que todo mundo e enfrentar a aliança diabo-sistema que nos odeia tentando a todo custo frustrar nossos planos quando desejamos fazer a vontade de Deus. Graças ao Deus que não nos isenta de sofrer, perder e fracassar, porque não se importa somente com nosso destino, mas também e principalmente com as condições do nosso coração ao chegarmos lá. Graças a Deus que nos permite ser transformados enquanto somos transtornados, e que não nos isola em uma redoma de vidro, mas nos expõe às intempéries da vida a fim de que cheguemos do outro lado mais fortes. E aí então, só então, graças a Deus pela paz, e essa sim, continuamos sem conseguir explicar.

4 comentários:

Juliane disse...

Pr. Mateus, esse texto veio de encontro com as crises da minha alma!
Estava me sentindo perdida, desorientada, disposta a parar com tudo, achando que estava fazendo tudo errado, afinal, as coisas só pioravam. Mas Deus falou comigo através dessa palavra. Pois "graças a Deus, que nos permite ser transformados enquanto somos transtornados".CENTRO da Sua vontade não é uma redoma de vidro, mas a Cruz de Cristo!
Bjss
Jubys

Abner Borba disse...

Meu amigo e pastor Mateus..."A paz de Deus,que excede todo entendimento,guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus" Fp.4:7 Quero aprender a ter meu coração e meus pensamentos cativos ao Espírito de Deus que habita em mim, mesmo em meio aos trantornos (em muitos aspectos do meu caráter só poderei ser transformado através dos transtornos).Em meio ao caos creio ser possível atingir uma paz que "excede todo entendimento".Ainda não cheguei lá....abração do teu amigo Abner Borba. Saudades...mesmo.

Rosana Garcia disse...

Querido pastor Mateus !! Graça e Paz !!!

" Graças a Deus que nos permite ser transformados enquanto somos transtornados "...e Glória a Deus por sua vida ..

Abraços

Kerly disse...

Querido Pr. Mateus!!
Eu simplesmente sou alimentada quando o ouço pregando ou leio seu blog.
Graças a Deus pela sua vida que nos leva a reflexões tão profundas... que possamos continuar ter esse privilégio de poder ouví-lo pregar, cantar, e refletir sobre a vida, a vida em Deus.
Um abraço...
Keka

 

.