domingo, 18 de outubro de 2009

Loja de Brinquedos


Um dia desses levei meu filho de dois anos e meio em uma loja de brinquedos. Em um acesso de rara generosidade paterna disse a ele antes de entrar na loja: “O Papai vai comprar o que você quiser!”. Só depois de ver o brilho de excitação nos olhinhos do meu pequeno que me dei conta da loucura que havia dito. No mesmo instante, uma imagem do meu apertado orçamento familiar tomou conta da minha mente. Mas o fato é que eu já havia dito e tudo o que eu podia fazer era torcer pra ele escolher algo não muito caro, e é claro, tentar bloquear sua visão toda vez que ele se aproximasse de algo grande ou colorido demais.

Então veio a surpresa. Meu filho veio correndo na minha direção com um sorriso fantástico no rosto dizendo: “Achei, Papai! Quero esse!”. Quando olhei, meio que sem querer olhar, me deparei com um carrinho minúsculo que não deveria custar mais do que R$ 10,00. Confesso que fiquei aliviado, mas ao mesmo tempo um pouco inconformado. Obviamente não queria gastar uma fortuna em um brinquedo, mas o levei ali porque queria agradá-lo, recompensá-lo, marcar a vida dele com um desses brinquedos que a gente nunca esquece, quem sabe convencê-lo um pouco do meu amor e ser “o melhor pai do mundo”.

Insatisfeito, comecei a mostrar outros brinquedos. Conferindo primeiro a etiqueta do preço e percebendo ser acessível ao bolso, mostrei incansavelmente uma porção de brinquedos das mais diversas cores e tamanhos. Enquanto mostrava, meu filho continuava agarrado ao carrinho. Depois de alguns minutos tentando convencê-lo, ele olhou pra mim com certa reprovação e disse: Papai, eu quero esse!

Foi então que percebi mais uma dessas características pueris que perdemos à medida que “crescemos.” O senso de valor de meu filho ainda estava intacto. As coisas ainda tem valor pelo que elas representam pra ele. Ele ainda não foi suficientemente contaminado pelo espírito consumista de nossa época que atribui valor às coisas pela opinião alheia, ou pelo visual atraente, ou pela imponência da marca. Pra ele, as coisas são valiosas na medida em que elas o tocam de alguma forma. Mais tarde reparei que o carrinho era um personagem do seu desenho favorito. Quando ele olhava pro carrinho, lembrava do desenho, e isso era suficiente pra fazê-lo feliz. Entendi também que minha tentativa de fazê-lo perceber meu amor por ele pelo tamanho do presente não fazia sentido. Porque meu amor se faz real em minha relação com ele, na maneira como toco seu coração.

Fiquei pensando mais tarde, quantas coisas já desejei que depois de pouco tempo perderam seu valor. Na verdade não perderam, simplesmente nunca tiveram valor. Fiquei pensando que na maioria das vezes, escolhemos as vias erradas para atribuir valor a coisas e pessoas. Quanto vale? Quanto custa? O que vão pensar de mim? Quantos vão querer ser como eu? De que forma isso vai ajudar na minha aceitação? Que vantagem tenho em andar com tal pessoa? De que forma ela pode me ajudar?

Todas essas perguntas são expressão de uma realidade infeliz: nós crescemos. Crescemos pra ser os filhos maduros que foram expulsos do jardim. Crescemos porque ouvimos alguém nos convencendo de que poderíamos ser mais do que o que Deus nos criou pra ser. Crescemos porque ouvimos alguém dizer que nós poderíamos ser deuses. E desde então, já não temos a inocência de atribuir valor aquilo que nos toca. Não conseguimos mais ver as pessoas além do que elas podem fazer por nós. Não conseguimos mais acreditar que Deus nos ama, a não ser que ele nos dê aquele presentão que sempre sonhamos ter.

Fico imaginando se Deus nos levasse a uma loja de “brinquedos”. E se antes de entrar na loja dissesse: “Escolhe o que você quiser”. Na loja teria prateleiras e mais prateleiras repletas daquilo que todos chamam de “bênçãos”: carro do ano, casa na praia, promoção no emprego, salário gordo, casamento maravilhoso, enfim, tudo o que alguém pode desejar. Como iríamos reagir?

Agarraríamos com unhas e dentes tudo aquilo que nos enche os olhos? Esperaríamos pra ver onde as outras “crianças” iriam e correríamos atrás? Ou quem sabe, se algo de puro fosse encontrado em nosso coração, procuraríamos a oferta da Graça: o bebê na manjedoura, o homem da Cruz, e diríamos: Pai, eu quero esse!

Quero aprender a querer. Quero aprender a desejar. Quero ser reformado em minhas intenções pra ambicionar aquilo que realmente é importante. Quero atribuir valor como o Pai atribui. Quero ser feliz por sentir o seu amor nos presentes mais sutis que me são concedidos a cada manhã. Quero amar o que ele ama, e me contentar em ser ainda que não possa ter. Quero perceber que nada pode ser mais valioso do que eu já tenho. Pois não há nada que Deus possa me dar, que seja melhor do que o que ele já me deu.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu SEU FILHO UNIGÊNITO para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16)

12 comentários:

Bruna Bianconi disse...

Ontem eu fiquei até tarde conversando sobre tudo isso que houve com a humanidade, todo o excesso de importância com coisas de pouco valor.
É uma pena porque analisando seu texto friamente se Deus nos levasse a uma loja de brinquedos poucos iriam segurar bem forte a graça, enquanto isso com certeza iria ficar em falta: carro novo, roupa nova, casa dos sonhos e tantas outras coisas.
Ótimo texto para refletir sobre a vida.

Que Deus continue abençoando a sua vida e de toda sua familia.

omeucha.net disse...

Muito bunita a mensagem. Penso nisso as vezes, mas na maioria das vezes que entro na loja de "brinquedos" acabo sendo dominado pelo "impostor" que ainda vive em mim =(~.

Juliane Oki Carraro disse...

Por isso que Ele nos diz que temos que ter o coração como de uma criança. É frustrante olhar para nós e ver que crescemos, nos tornamos "filhos maduros", que de tão maduros já não pulam no colo do Pai como antes, não se alegram com as coisas simples como a terra, chuva, água... Não quero ser grande para Ele. Não quero ser a filha "mocinha". Quero ser criança, me derramar nos Seus braços, deitar no Seu colo para ouvir Suas histórias. Quero ser a menina dos olhos do Papai!

Saudades de vocês Pr. Mateus. Em meio as minhas crises Deus sempre te usava para ministrar a palavra que era perfeita ao meu coração.

Que Deus continue abençoando vocês mais e mais. Bjs, Jú.

Fran disse...

Pastor
Demais né? Fiquei aqui pensando na loja de brinquedos, o que eu escolheria, e sinceramente, ha uma semana atrás eu escolheria muitas "bençãos", hoje depois que Deus falou ao meu coração na pregação da Ariadina ( acho que seu nome é assim heheh) fico até com vergonha de pedir algo pra Deus,mas ainda assim me pego pedindo coisas e acabo esquecendo das pequenas mas importantes bençãos que Ele mesmo nos dá a cada dia...

"Quero ser reformado em minhas intenções pra ambicionar aquilo que realmente é importante."

Estou com muitas saudades de vcs, Deus abençõe.

disse...

Já temos a graça Dele, o que mais devemos querer nós?
Que Deus nos ensine a cada dia mais e mais!

Jussiane disse...

Oii, Pr.

Sempre que leio textos escritos por vc fico imaginando vc nas pregações usando eles, sempre tenho algo a refletir, são todos bençao na minha vida.
Saudades de vcs.

Marcelo Martin disse...

Em meio a sociedade capistalista e um evangelho consumista, louvo a Deus que existe mensagens como essa, pura e simples, capaz de preparar o caminho para a segunda vinda do Senhor! Saudades, pr. Mateus!

rdenadai disse...

É pastor, Deus tem me feito pensar, nesses últimos dias, acerca de onde tenho embasado a valorização de tudo que me cerca. Me pego muitas atribuindo o valor indevido a certas coisas, de tão envolto e imerso pelo sistema que movimenta o mundo.
Tenho aprendido que o valor atribuído por Deus e pelas próprias pessoas em sua individualidade a cada "presente" são singulares, não cabendo a mim julgar o presente escolhido por outro alguém a partir do que eu julgo ser de valor, mas sim procurar entender esse valor por uma outra perspectiva.

Foi bom tê-lo de volta nesses dias. Que Deus continue operando grandemente na sua vida, na da Renata e do Teuzinho!
Abraço!

Fran disse...

Muito legal, me fez ler e refletir sobre várias coisas.
Gostei muito do seu blog, excelente conteúdo.
Parabéns!

Ana Cristina disse...

Realmente Pastor, Jesus é o presente maior.
E só a graça de ter sido escolhida por ELE, já basta.

Tati disse...

Fico grata a Deus pela tua vida, todas as mensagens que Ele nos entrega através de você são essenciais

Muito obrigada por permitir ser essa ferramenta

Abraço

Kerollyn da disse...

Pr.Mateus,
Que texto tocante,inspirador e o melhor nos faz olhar para nossa vida que parece que o vivemos sempre querendo,querendo,querendo....
Quando na verdade já temos tudo que precisámos a Graça do nosso tão bondoso Deus.
E que Ele continue sempre usando sua vida para edificar a nossa....

 

.